A lenda do Folar da Páscoa • The legend of the Easter Folar

Introdução • Introduction

O folar é tradicionalmente o pão da Páscoa em Portugal, confeccionado na base da água, sal, ovos e farinha de trigo. A forma, o conteúdo e a confecção varia conforme as regiões de Portugal e vai desde o salgado ao doce, nas mais diversas formas. Nalgumas receitas é encimado por um ovo cozido com casca.

The folar is traditionally the Easter bread in Portugal, made on the basis of water, salt, eggs and flour. The form, content and production varies according to each region of Portugal and ranges from salty to sweet, in several ways. In some recipes is surmounted by a boiled egg with shell.

Folar

A lenda • The legend

Conta a lenda que, numa aldeia portuguesa, vivia uma jovem chamada Mariana que tinha como único desejo na vida o de casar cedo.

Tanto rezou a Santa Catarina que a sua vontade se realizou e logo lhe surgiram dois pretendentes: um fidalgo rico e um lavrador pobre, ambos jovens e belos.

A jovem voltou a pedir ajuda a Santa Catarina para fazer a escolha certa.

Enquanto estava concentrada na sua oração, bateu à porta Amaro, o lavrador pobre, a pedir-lhe uma resposta e marcando-lhe como data limite o Domingo de Ramos.

Passado pouco tempo, naquele mesmo dia, apareceu o fidalgo a pedir-lhe também uma decisão. Mariana não sabia o que fazer…

 •

The legend tell us that in a Portuguese village, lived a young woman named Mariana who had the only desire in life to marry early.

She prayed so much to Saint Catherine that her desire was realized and soon arose her two suitors: a rich nobleman and a poor farmer, both young and beautiful.

She returned to ask for help from Saint Catherine to make the right choice.

While concentrated on her prayer, Amaro knocked on the door, the poor farmer, asking her an answer and marked as the deadline the Palm Sunday.

After a short time, in that day, the nobleman also came to ask her a decision. Mariana didn’t know what to do…

 

Chegado o Domingo de Ramos [é o dia em que é celebrada a "entrada triunfal" de Jesus em Jerusalém, exactamente uma semana antes da sua ressurreição (Mateus 21:1-11)], uma vizinha foi muito aflita avisar Mariana que o fidalgo e o lavrador se tinham encontrado a caminho da sua casa e que, naquele momento, travavam uma luta de morte.

Mariana correu até ao lugar onde os dois se defrontavam e foi então que, depois de pedir ajuda a Santa Catarina, Mariana escolheu Amaro, o lavrador pobre.

Na véspera do Domingo de Páscoa, Mariana andava atormentada, porque lhe tinham dito que o fidalgo apareceria no dia do casamento para matar Amaro. Mariana rezou a Santa Catarina e a imagem da Santa, ao que parece, sorriu-lhe.

 •

When Palm Sunday comes [it is the day that is celebrated the "triumphal entry" of Jesus into Jerusalem, exactly one week before his resurrection (Matthew 21: 1-11)], a neighbor in great distress, warn that Mariana that the nobleman and the farmer met in the way to her house and they were fighting a death struggle.

Mariana went to the place where the two faced each other and then, after asking for help to Saint Catherine, Mariana chose Amaro, the poor farmer.

On Sunday the eve of Easter, Mariana was troubled, because someone said that the nobleman would appear on the wedding day to kill Amaro. Mariana prayed to Saint Catherine and the image of the Saint seems to smile to her.

 

No dia seguinte, Mariana foi pôr flores no altar da Santa e, quando chegou a casa, verificou que, em cima da mesa, estava um grande bolo com ovos inteiros, rodeado de flores, as mesmas que Mariana tinha posto no altar.

Correu para casa de Amaro, mas encontrou-o no caminho e este contou-lhe que também tinha recebido um bolo semelhante.

Pensando ter sido ideia do fidalgo, dirigiram-se a sua casa para lhe agradecer, mas este também tinha recebido o mesmo tipo de bolo.

Mariana ficou convencida de que tudo tinha sido obra de Santa Catarina.

 •

On the following day, Mariana put flowers on the Saint’s altar, and when she got home, she found on the table a large cake with whole eggs, surrounded by flowers, the same that Mariana had put on the altar.

She ran to Amaro’s house, but found him on the road and he told her that he had also received a similar cake.

Thinking it was a nobleman idea, they went to his house to thank him, but he had also received the same kind of cake.

Mariana was convinced that it had been the work of Saint Catherine.

 

Inicialmente chamado de folore, o bolo veio, com o tempo, a ficar conhecido como folar e tornou-se numa tradição que celebra a amizade e a reconciliação nas mesas de Domingo de Páscoa portuguesas.

Durante as festividades cristãs da Páscoa, os afilhados costumam levar, no Domingo de Ramos, um ramo de violetas à madrinha de baptismo e esta, no Domingo de Páscoa, oferece-lhe em retribuição um folar.

 •

Originally called folore, the cake became, in time, known as folar and has become a tradition that celebrates friendship and reconciliation in the Portuguese Easter Sunday.

During the Christian festivals of Easter, the godson usually takes, on Palm Sunday, a bouquet of violets to the baptismal godmother and she, on Easter Sunday, offers him in return one folar.

Folar 2

Desejamos a todos um Santo Domingo de Páscoa!

 •

We wish you all a Holy Easter!

 

 

 

Baseado no texto da/ Based on the text of: www.pt.wikipedia.org and www.infopedia.pt/$lenda-do-folar-da-pascoa

 

A história do penico • The history of the chamber pot

 

Um penico (também designado como vaso de noite, pinico ou bacio) é um recipiente em forma de taça com uma asa ou pega, e muitas vezes com tampa, mantido no quarto debaixo da cama ou na mesa-de-cabeceira e usado, geralmente, como depósito das necessidades fisiológicas durante a noite.

A chamber pot (also a piss pot, a potty or a thunder pot) is a bowl-shaped container with a handle, and often with a lid, kept in the bedroom under a bed or in the cabinet of a nightstand and generally used as a toilet at night.

 

 

Os penicos eram usados na Grécia antiga, pelo menos desde o século VI. A introdução de sanitários no interior das casas, começou a substituir o uso do penico no século 19, mas esses recipientes eram de uso generalizado até meados do século 20.

Eles continuam a ser usados em locais que não possuam água canalizada, como zonas rurais e foi redesenhado como arrastadeira para uso em doentes acamados.

Chamber pots were used in ancient Greece at least since the 6th century. The introduction of indoor toilets started to displace chamber pots in the 19th century but such pots were in common use until the mid-20th century.

They continue in use until today in countries lacking indoor plumbing such as rural areas and have been redesigned as the bedpan for the bedridden patients.

 

 

A Oficina da Formiga, com a sua genuína cerâmica tradicional, continua a manufacturar este tipo de peça, transmitindo os sentimentos de saudade e tradição nas peças que produzimos.

 •

OF Ceramics, with its genuine traditional ceramics, continues to manufacture this kind of piece, conveying the feelings of nostalgia and tradition in our products.

 

Com paisagem no fundo - With landscape in the bottom

Baseado no texto da/ Based on the text of: www.pt.wikipedia.org

Fontes das imagens/ Sources of the pictures: www.oficinadaformiga.com

A Lenda do Galo de Barcelos • The tale of the Rooster of Barcelos

Travessa oitavada galo

 

A lenda do Galo de Barcelos narra a intervenção milagrosa de um galo morto na prova da inocência de um homem erradamente acusado.

Está associada ao cruzeiro seiscentista que faz parte do espólio do Museu Arqueológico, situado no Paço dos Condes de Barcelos.

The tale of the Rooster of Barcelos tells the story of a dead rooster’s miraculous intervention in proving the innocence of a man who had been falsely accused and sentenced to death.

The story is associated with the 17th-century calvary that is part of the collection of the ArcheologicalMuseum located in Paço dos Condes, a gothic-style palace in Barcelos, a city in the Braga District of northwest Portugal.

 

Segundo a lenda, tinha sido roubado um valioso serviço de mesa de prata, durante uma grande festa em casa do homem mais rico de Barcelos. Os habitantes andavam alarmados com o crime, do qual ainda não se tinha descoberto o ladrão.

Certo dia, apareceu um galego que se tornou suspeito. As autoridades resolveram prendê-lo, apesar dos seus juramentos de inocência, que estava apenas de passagem em peregrinação a Santiago de Compostela, em cumprimento duma promessa.

According to the tale, a precious silver table set had been stolen from the richest man house, in Barcelos, and the inhabitants were looking for the thief.

One day, a man from neighboring Galicia turned up and became suspect, despite his pleas of innocence. The Galician swore that he was merely passing through Barcelos on a Pilgrimage to Santiago de Compostela to complete a promise.

 

Prato PR6 galoCondenado à forca, o homem pediu que o levassem à presença do juiz que o condenara. Concedida a autorização, levaram-no à residência do magistrado, que nesse momento se banqueteava com alguns amigos.

O galego voltou a afirmar a sua inocência e, perante a incredulidade dos presentes, apontou para um galo assado que estava sobre a mesa e exclamou: “É tão certo eu estar inocente, como certo é esse galo cantar quando me enforcarem.”

Nevertheless, the authorities arrested the Galician and condemned him to hang. The man asked them to take him in front of the judge who had condemned him. The authorities honored his request and took him to the house of the magistrate, who was holding a banquet with some friends.

Affirming his innocence, the Galician pointed to a roasted cock on top of the banquet table and exclaimed, “It is as certain that I am innocent as it is certain that this rooster will crow when they hang me.” The judge pushed aside his plate because he decided to not eat the rooster. But still, the judge ignored the Galician’s appeal.

 

Travessa oitavada pequena galo

 

O juiz empurrou o prato para o lado e ignorou o apelo, mas quando o peregrino estava a ser enforcado, o galo assado ergueu-se na mesa e cantou.

Compreendendo o seu erro, o juiz correu para a forca e descobriu que o galego se salvara graças a um nó mal feito. O homem foi imediatamente solto e mandado em paz.

However, while the pilgrim was being hanged, the roasted rooster stood up on the table and crowed as the Galician predicted.

Understanding his error, the judge ran to the gallows, only to discover that the Galician had been saved from hanging thanks to a poorly made knot in the rope. The man was immediately freed and sent off in peace.

 

Cruzeiro de Barcelos

 

Alguns anos mais tarde, o galego terá voltado a Barcelos para esculpir o Cruzeiro do Senhor do Galo em louvor à Virgem Maria e a São Tiago, monumento que se encontra no Museu Arqueológico de Barcelos.

Este também é representado pelo artesanato minhoto, geralmente de barro, conhecida por galo de Barcelos e é um símbolo de Portugal e foi adotado por Gil Vicente como sua mascote.

Some years later, the Galician returned to Barcelos to sculpt the Calvary (or Crucifix) to the Lord of the Rooster (Portuguese, “Cruzeiro do Senhor do Galo”) in praise to the Virgin Mary and to Saint James. The monument is located in the Archeological Museum of Barcelos.

 

Fazendo parte das tradições populares portuguesas, a Oficina da Formiga manufactura diversas peças em faiança com o galo como tema principal.

As part of the popular Portuguese traditions, OFCeramics make earthenware with the rooster as main theme.

 

Baseado no texto da/ Based on the text of: www.pt.wikipedia.org

Fontes das imagens/ Sources of the pictures: www.dadinhahistorias.blogspot.pt; www.oficinadaformiga.com

O Prato da Abundância • The Plate of Plenty

Prato da Abundancia

 

Peça que tradicionalmente se oferecia aos noivos quando se casavam, desde o séc. XIX, desejando abundância e felicidade na sua casa e na vida conjugal.

O peixe às postas simboliza o milagre bíblico da partilha e da multiplicação.

 •

Plate that traditionally was offered to the newlyweds, since the 19th century, wishing happiness and abundance at their homes and their conjugal life.

Handpainted decorative plate, with crackle glaze and holes in the back to hang, with a traditional Portuguese fish cut in four pieces, in the center, and colourful border with wheat spikes, grapes and poppy flowers.

The fish cut in four pieces symbolizes the Biblical miracle of sharing and multiplication.

 

As pintas azuis, simbolizam o dinheiro que surgiu por milagre bíblico na boca do peixe quando foi pescado, mas também, como o resultado do trabalho na pesca (simbolizado pela redes pintadas), ou do trabalho no campo.

Para que nunca falte o trabalho e o dinheiro em casa dos noivos.

The blue dots, symbolizes the money that came in fish’s mouth, (Biblical miracle) when he was caught, also as the result of fishing work (symbolized by the fishing nets), or the work in the fields. For there is always money and work to the newlyweds.

Beira do prato

Na beira do prato, as sete composições, cada com a espiga de trigo, uvas e uma flor (papoila), representando a satisfação das necessidades diárias de pão (que dá vida ao mundo), de vinho (sangue da vida), da fertilidade e felicidade.

A serpente simboliza a tentação e o pecado, para lembrar que existe e que a devem evitar.


In the border of the plate, the seven compositions, with an wheat spike, grapes and a poppy flower, representing the daily needs, satisfaction of bread (that gives life to the world), wine (life blood), fertility and happiness each weekday.

The snake symbolizes temptation and sin, to remind that it exists and must be avoid.

5+peq

 

Dando continuidade á manufactura desta peça, a Oficina da Formiga deseja manter as tradições culturais, a identidade portuguesa e seus símbolos.

 

Giving continuity to the manufacture of this plate, OF Ceramics wish to keep the cultural traditions, thus showing Portuguese symbols and  identity.

O nosso Mestre • Our Master

Foto Mestre

 

 

 

Flamínio dos Reis, nasceu em Aradas (terra de oleiros), Aveiro, a 13 de Novembro de 1933. Seus pais, Manuel dos Reis e Pompília da Silva Carvalho.

Flamínio dos Reis, was born in Aradas (land of potters), Aveiro, November 13 of 1933. His parents were Manuel dos Reis and Pompília da Silva Carvalho.

 Na Fábrica do Jarreto

Com 14 anos foi trabalhar para a serralharia da Fábrica Cerâmica das Quintans. Aos 18 anos começou a dar as primeiras pinceladas na “Fábrica do Jarreto” (João Gonçalves da Vitória Machado, Lda) e em 1952 entrou para as Faianças de S. Roque, Lda na cidade de Aveiro. Com o acompanhamento do Mestre João Lavado, evoluiu na técnica, na capacidade de trabalho e na arte da pintura em faiança, nos 12 anos que esteve na empresa.

With 14 years he was working in the locksmiths of Cerâmica das Quintans Factory. At 18 he began painting in the “Jarreto Factory” (João Gonçalves da Vitória Machado, Ltd) and in 1952 he went  to the Faianças de S. Roque, Ltd in the city of Aveiro. With the accompaniment of the Master João Lavado, he develped  the technique, the ability to work and the art of painting on earthenware, in the 12 years while he was in the company.

 Na gerência da Argilart

À noite, concluiu o 4º ano da Escola Industrial Fernando Caldeira, em Aveiro.

De 1966 a 1977 foi chefe de vendas da Faianças da Capôa, Lda, em Aradas, a que se seguiu o trabalhar por conta própria e de 1979 a 2005 como sócio da Argilart – Artesanato e Decorações, Lda.

At night, he concluded the 4th year of the Industrial School Fernando Caldeira, in Aveiro.

From 1966 to 1977 he was head of sales at Faianças da Capôa, Ltd, in Aradas, followed by working of his own and from 1979 to 2005 as a business associate of Argilart – Artesanato e Decorações, Ltd.

 Na Oficina da Formiga

Actualmente e com uns jovens 80 anos, Flamínio dos Reis é um pilar essencial no funcionamento da Oficina da Formiga, com o desenvolvimento e pintura dos padrões tradicionais da faiança portuguesa nos diversos formatos de peças.

Today and with a young 80 years old, Flamínio dos Reis is an essential column in the functioning of the OF Ceramics, at the development and the painting of Portuguese earthenware traditional patterns in different shapes.

A decoração alusiva aos Descobrimentos Portugueses • The decoration allusive to the Portuguese Discoveries

 

Decoração Descobrimentos Portugueses

 

Estas peças são uma edição limitada alusiva a época do Descobrimentos que além dos tradicionais motivos decorativos desta louça portuguesa, apresenta uma bela caravela, a embarcação usada na descoberta de novos povos e novas terras.

These pieces are a limited edition allusive to the time of the Discoveries beyond traditional decorative patterns of this Portuguese ceramics. It presents a beautiful tall ship, the vessel used in the discovery of new lands and new people.

 

 

Em faiança de elevada qualidade, são pintadas totalmente à mão pelos artesãos desta Oficina sendo as cores características da antiga faiança portuguesa. Maravilhosas e exclusivas peças utilitárias que contêm um elevado valor artístico e cultural.

In high quality earthenware, they are painted entirely by hand by the OFceramics artisans with the characteristic colors of the ancient Portuguese earthenware. Wonderful and unique utilitarian pieces that contain a high artistic and cultural value.

 

Fonte da imagem/ Source of the picture: http://blog.livedoor.jp/andorinha/

Os lenços e a louça dos namorados • The Valentine handkerchiefs and tableware

lenço-1Era hábito as raparigas bordarem lenços e entregarem-nos aos seus amados. Nos lenços bordavam versos e vários desenhos com simbologias próprias.

Depois de terminado, o lenço acabaria por chegar ao amado, que o passaria a usar ao pescoço ou no bolso do casaco do fato domingueiro, de forma a mostrar que tinham iniciado uma relação. Se o namorado não usasse o lenço publicamente era sinal de que não aceitava a relação.

Os erros ortográficos que se encontram nas quadras ou dizeres bordados nos lenços dos namorados devem-se ao facto de serem uma transcrição fonética da pronúncia minhota feita por raparigas que tinham pouco domínio da escrita da língua portuguesa.

It was habit girls embroider handkerchiefs and deliver them to their loved one. Once finished, the handkerchief was offered to the beloved, who would use in the neck or in the pocket of the suit jacket showing that they had started a relationship.

If the boyfriend did not wear the handkerchief on public, it was a sign that he does not accept the relationship. Spelling mistakes that are in the verses or sayings embroidered in the Valentine’s handkerchiefs is due to the fact that it is a phonetic transcript of Minho (North of Portugal) pronunciation made by girls who were illiterate.

 

My heart and yours always toghetherJá há alguns anos que a Oficina da Formiga tem uma linha decorativa dedicada a este tema, composta por pratos de diversos tamanhos, travessas e bilhas, com reprodução dos mesmos desenhos e das mesmas quadras ou dizeres, e assim, fazer perdurar no tempo esta curiosa tradição portuguesa.

For several years OFceramics has a decorative line dedicated to this theme, composed of plates of various sizes, platters and pitchers, reproducing the same patterns and the same verses or sayings, to perpetuate over the time this curious Portuguese tradition.

 

O meu coração e o teu sempre unidos

My heart and yours always together

P1120496+peq

Aqui tens meu coração e a chabe pró abrir, num tenho mais que te dar nem tu mais que me pedir.
Here’s my heart and the key to open it, I have no more to give you and you nothing more to ask me.

 

Fontes do texto e imagem/ Sources of text and picture: www.aliancartesanal.pt

A lenda da Bilha de São Jorge • The legend of Saint Jorge’s Pitcher

2

A Batalha de Aljubarrota travou-se em 14 de Agosto de 1385 entre o exército de D. João I de Portugal e o rei de Castela, num dia de calor abrasador. A batalha tinha sido decidida pelo rei de Portugal e D. Nuno Álvares Pereira, o Condestável, contra a vontade da maioria da nobreza e do exército. A principal razão era a desproporção das forças: trinta mil castelhanos contra sete mil portugueses.

The Aljubarrota Battle was fought in August 14th 1385 between the army of King John I of Portugal and the King of Castile, a day of blazing heat. The battle had been decided by the King of Portugal and D. Nuno Alvares Pereira, the Constable, against the will of the majority of the nobility and the army. The main reason was the disproportion of forces: thirty thousand Castilians against seven thousand Portuguese.

 800px-Batalha_de_Aljubarrota_02

O auxílio esperado de Inglaterra não viria a tempo de evitar um eventual cerco à cidade de Lisboa. Era melhor morrer com honra do que a humilhação da fuga. No dia da batalha encontravam-se os exércitos frente a frente, com o sol a queimar o ar e a sede a começar a torturar os soldados portugueses. O Condestável temia mais a sede que o exército inimigo e incumbiu Antão Vasques de procurar água, uma tarefa difícil dada a secura dos regatos.

AlentejoMas por São Jorge tudo era possível! Antão Vasques em vão procurou água e já desesperado desceu do cavalo e ajoelhou-se na terra poeirenta e pediu ao seu anjo da guarda o impossível. No mesmo instante, surgiu uma camponesa com uma bilha de água que quanto mais dela se bebia mais de água se enchia como de fonte inesgotável brotasse. Uma água que saciava a sede e renovava as forças e o espírito.

 

The aid expected from England would not come in time to avoid a possible siege to the city of Lisbon. It was better to die with honor than a humiliated escape. On the day of battle the armies found themselves face to face with the sun burning the air and the thirst start torturing the Portuguese soldiers. The Constable most feared the thirst than the enemy army and so he instructed Antão Vasques to look for water, a difficult task because of the dryness of the creeks.

But for Saint Jorge, everything was possible! Antão Vasques in vain searched for water and already desperate got off his horse and knelt on the dusty ground and asked his guardian angel the impossible. Instantly, a peasant girl came up with a pitcher of water, and as over as they drank more water was filled with such as an inexhaustible source should spring. Water that quenched the thirst and renewed strength and spirit.

pos-batalha

Os castelhanos atacaram, certos de encontrar os soldados enfraquecidos pela espera e pela sede. Mas os sete mil portugueses aguentaram firmes e para grande surpresa dos castelhanos responderam com tal valentia que estes retiraram em debandada nesse dia de vitória para Portugal. transferirNo lugar onde surgiu a jovem camponesa mandou o Condestável erguer a capela de São Jorge e ainda hoje lá está uma bilha de água para dar de beber a quem passe e tenha sede. São Jorge ficou também como padroeiro do exército português.

The Castilians attacked; sure of finding the soldiers weakened by waiting and by thirst. But the seven thousand Portuguese stay firm and endured, much to the surprise of the Castilians, they responded with such bravery that they retreated in stamped at that day of victory for Portugal. In the place where the young peasant girl appeared, the Constable order to build the chapel of Saint Jorge and still today there is a pitcher to give water to everybody whith thirsty. Saint Jorge also became the patron of the Portuguese army.

OF ceramics II (23 of 50)

 

A Oficina da Formiga produz uma bilha moringue ou moringa alusiva à lenda da Bilha de São Jorge, com motivos vegetalistas em alto relevo e asa em forma de tronco.

OFceramics made a moringue or moringa pitcher allusive to the legend of Saint Jorge’s Pitcher, with vegetal motifs in high relief and a shaped tree trunk wing.

 

 

 

Baseado no texto do blog/ Based on the text of the blog: http://lendasdeportugal.no.sapo.pt

Fontes das imagens/ Sources of the pictures: http://commons.wikimedia.org; http://gazetademiraflores.blogspot.pt; http://www.prof2000.pt

 

Fábio Carvalho em residência artística na Oficina da Formiga • Fábio Carvalho in artistic residency at OFceramics

FabioFábio Carvalho, artista plástico carioca (www.fabiocarvalho.art.br), cuja carreira começou nos anos 1990, já realizou diversas exposições pelo Brasil e pelo mundo. É um homem com um percurso incrível, responsável pelo site www.porcelanabrasil.com.br, pelos blogues www.porcelanabrasil.blogspot.pt e www.azulejosantigosrj.blogspot.pt, pesquisador, autor do livro “Guia de Marcas” e de diversos artigos publicados pela revista brasileira Retrô – Colecções e Antiguidades.

Habituados que estávamos a “beber” conhecimento nas suas publicações on-line, quando soubemos da sua vinda a Portugal, em Outubro, trocámos mensagens e combinámos um dia para passar connosco e na nossa região.

Foi um dia memorável, em que o tema “cerâmica” era predominante e o cruzamento de culturas foi gratificante. O dia terminou na nossa oficina, agarrados ao pincel. Esse encontro despoletou nele a vontade de ir mais longe e fazer uma residência artística aqui na Oficina da Formiga, cruzando a arte contemporânea com os métodos, técnicas e recursos usados na nossa oficina, o que aconteceu em Dezembro passado.

Fábio Carvalho, is a plastic artist from Rio de Janeiro (www.fabiocarvalho.art.br), whose career began in the 1990s, he made expositions in Brazil and all over the world .

He is a man with an incredible career responsible for the site www.porcelanabrasil.com.br, for the blogs www.porcelanabrasil.blogspot.pt and www.azulejosantigosrj.blogspot.pt, researcher, author of the Brazilian ceramic “Guide Marks” book and many articles published by the Brazilian magazine Retrô – Collectibles and Antiques.

We usually follow his online publications and when we knew of his visit to Portugal, in October, we invite him to spend a day with us and in our region.

It was a memorable day, the ceramics theme dominated the conversation and the crossroads of cultures was gratifying. The day ended in our workshop grabbed to the brush. This meeting sparked in him the will to go further and do an artistic residency here in the OFceramics, crossing contemporary art with the methods, techniques and resources used in our workshop, it took place last December.

Foto do Fabio

Inicialmente, praticou as técnicas tradicionais de pintura com estampilhas usadas nas nossas peças e realizou a pintura de um prato a partir de uma combinação de elementos de diversas estampilhas já existentes, pintando-as sobre peça chacotada com vidrado cru.

Initially, he practiced the traditional techniques of painting with stencils used in our pieces and painted a plate from a combination of elements from several existing stencils, painting them on an earthenware piece with raw glaze.

Estampilhas

Num segundo momento, a partir de um desenho de sua autoria, fez a respectiva separação de cores e foram abertas as estampilhas.

Secondly, from a drawing of his own, he made ​​the colour separation and the stencils were opened.

475

A seguir, foram pintadas as peças com vidrado cru com estas estampilhas originais, dando origem à peça da foto acima.

Then the pieces were painted with raw glaze with these unique stencils, giving rise to the plate of the above photo.

476

Dando continuidade ao trabalho já efectuado, Fábio Carvalho criou uma variação do mesmo desenho e novos pratos foram pintados com esta variação.

Continuing the work already done, Fábio Carvalho created a variation of the same design and new plates were painted with this variation.

Pratos fabio

Por fim, foram também pintadas outras peças que combinam variações do desenho criado pelo artista, fotos acima.

Finally, we painted other pieces that combine variations of the design created by the artist, above photos.

P1120156

E no final, a cozedura em forno eléctrico em alto fogo. Foram trabalhos inspiradores, que nos ajudaram a ir além dos nossos tradicionais limites, saindo da nossa zona de conforto. Obrigado Fábio!

And in the end, the burning in an electric kiln at high heat. It was an inspiring work that helped us go beyond our traditional limits, out of our comfort zone. Thanks Fábio!

O prato da árvore da vida • The tree of life plate

s3.02.colcha_da_rvore_da_vida_com_cercadura_e_galos_1_2_2

 

Algumas colchas de Castelo Branco representam a árvore da vida, símbolo muito antigo e comum a várias religiões, inclusive ao Cristianismo: “Porque as suas raízes se mergulham na terra e os seus ramos se elevam no céu, a árvore é universalmente considerada como um símbolo das relações que se estabelecem entre o céu e a terra.” A árvore também pode representar o processo de criação do universo ou o processo da evolução humana.

Some bedspreads from Castelo Branco, in Portugal, represent the tree of life, an ancient symbol common to many religious beliefs, including Christianity: “Because their roots are immersed in the earth and its branches rise up to the heavens, the tree is universally regarded as a symbol of the relations established between heaven and earth.” This tree can also represent the process of creation of the universe or the process of human evolution.

 

P11201

A decoração deste prato com pintura original de meados do século XIX, com proveniência de uma oficina de Gaia ou do Porto, mais não é do que a representação de uma árvore da vida, adaptada ao formato circular de um prato. O crescimento dos ramos que procuram a luminosidade dos céus desenvolve-se num movimento em espiral pintado a partir do centro, em direcção aos bordos desta peça de loiça.

The decoration of this plate, originally from a 19th century workshop in Gaia or Porto, in Portugal, is nothing more than the representation of a tree of life, only adapted to the circular shape of a plate. The painting of the branches seeking the brightness of the heavens develops into a moving spiral painted from the center outwards.

 

arvore da Vida 11Mas, em meados do século XIX, conheceriam os ceramistas fracamente instruídos de uma qualquer oficina de Gaia ou do Porto, o significado da árvore da vida?

Talvez não soubessem explicar com palavras de gente erudita o significado, mas já teriam visto colchas de Castelo Branco e frontais de altar com azulejos com esse motivo, ou ainda árvores de Jessé, nas igrejas que frequentariam, que certamente os impressionaram. Os padres também não deixariam decerto de evocar este simbolismo da árvore nas suas sermoneias. Por conseguinte, seria natural que, quando estes ceramistas pegassem no pincel, esta imagem da árvore a desenvolver-se em direcção ao céu lhes surgisse como algo poderoso, que desejassem reproduzir num prato.

Hoje, mais de cento e cinquenta anos depois, o motivo deste prato mantém intacto o seu fascínio simbólico.

But in the mid-19th century, would the uneducated painters know the meaning of the tree of life?

Maybe they didn’t know how to explain it with words of erudite people, but they would have seen bedspreads from Castelo Branco and altar frontals tiled with this subject, or even the trees of Jesse in the churches that they’d attend, which would certainly impress them. The priests would almost certainly evoke this symbolism of the tree during their ceremonies. So this image of a tree reaching the skies would come natural to the painters, and they would try to reproduce it in a plate.

Today, a good one hundred and fifty years later, this pattern is still regarded with a great symbolic fascination.

 

Baseado no texto do blog/ Based on the text of the blog: http://velhariasdoluis.blogspot.pt

Fontes das imagens/ Sources of the pictures: http://pensamentospoesiaemanuel.blogspot.pt; http://lusitaniatradition.com